Revista Literária

sexta-feira, 18 de março de 2011

Desculpa pelo adeus que não foi


Nasci, vivi. Calma, ainda não morri
Mas já estou morto na vida,
Ainda não na poesia,
Por isso a escrevi daqui a uns anos

Sabe que amei,sofri,empobreci,
Só não que viajei até Madri
Lá, casei,tive filhos
Um doutor e outra atriz

Alguns sonhos; realizei vários
Muitos amores; apaixonei-me pouco,
Vida feliz; chorei um bocado
Senti tua falta quando parti
Chorou mais do que quando faleci

Nada disse,
Saí.
Porta entreaberta
Carta no armário:

Mãe,
Obrigado.
Desculpa,
Estou atrasado.
Meu avião sai às dez.
Juro que te escrevo logo

31 comentários:

  1. Muito legal a posesia, parabéns!
    "um doutor, outra atriz", gostei

    Abs

    http://odesbunde.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Belas palavras caro poeta.Parabens.
    http://juventudeinformada.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Legal! "Nasci, vivi. Calma, ainda não morri
    Mas já estou morto na vida,
    Ainda não na poesia...", Muito bom!

    abraço,
    todososouvidos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. muito legal, traz todas as emoções contidas em uma despedida mesmo, a tristeza que predomina, a saudade que nasce, e toda a melancolia que esse momento costuma ter...
    gostei, parabéns!!!

    http://songsweetsong.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. eu curto esse lance de palavras mnossilábicas.

    o poema está muito bom!

    SUCESSO.

    http://manuscritoperdido.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Uma sequência de antônimos que dá o toque certo para nos prender ao texto.

    ResponderExcluir
  7. Muito bom, pelo paradoxo entre os tempos ("por isso a escrevi daqui a uns anos") que deu um tom diferente e original à poesia.

    ResponderExcluir
  8. É tão perfeito, como um encontro do hoje com o amanhã neste exato momento, é como sentir saudades do inexistente (su)real, é melancólico e contém uma alegria incontrolável, ao mesmo tempo uma dor silenciada, não sei se estou sentindo mais do que devia perante a estes versos, mas devo dizer, que causou-me explosão de sentimentos e até mesmo insiparação! Deixe-me observar: "Mas já estou morto na vida, ainda não na poesia," Só os verdadeiros poetas sabem que é possível morrer na vida, mas na poesia jamais.
    Parabéns, um grande e sincero parabéns.



    --
    http://saramelyssa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. muito bom

    achei interessante não saber em que tempo se passa, se já foi escrito, se escreve o que ainda não aconteceu, se é agora...

    ResponderExcluir
  10. IGuimarães, meu blog não trata somente de teatro. Falo disso porque vivo isso cotidianamente. Teatro é algo que já fa parte de mim e me consome cada vez mais, aí, naturalmente acabo escrevendo sobre isso.
    Valeu por passar lá no blog, sorte por aqui também. Legal a poesia de evasão.

    ResponderExcluir
  11. Tu que fez? :O
    Bem feito.

    http://socconnect.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Memórios Póstumas de Iguimarães.

    abç
    Pobre Esponja

    ResponderExcluir
  13. VOCÊ deixa qualquer um louco.

    Kisses, amiguinhozinho.

    ResponderExcluir
  14. Você tira lascas do meu ceticismo.
    Desculpa pela ausência que não foi presença... E por ter tentado transmitir sem sintonia.

    ResponderExcluir
  15. Meu Deus, que poema lindo é esse!?
    Parece que voltei no tempo... Me lembrei de quando saí de casa, quase que desse mesmo jeito... Foi forte esse texto, muito mesmo... Passou um filme na minha cabeça...

    Mas eu tive o prazer de dizer tchau... e hoje, não deixo apenas cartas, deixo palavras, quase sempre ao telefone, dizendo MÃE EU TE AMO.

    http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. olá amigo,

    vc. escreve muito bem; só q achei vc. pessimista ou seria, saudosista.
    Outra coisa, se vc. está vivo na poesia é prova q não está morto na vida.
    Quem esta morto na vida não consegue ser poeta.........
    abraços

    ResponderExcluir
  17. nossa q bacana, adorei a esrutura e as rimas, mt bom!

    ResponderExcluir
  18. bem legal, a alternância de tempos achei bem interessante

    ResponderExcluir
  19. Oi querida, muito lindo teu blog.
    estou seguindo, aguardo tua retribuição no meu cantinho:
    http://maniasdadiva.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  20. Olha só, que legal.Não sou poeta e não sei analisar uma poesia,mas sentir eu sinto.E essa eu curti.Abrç aí e espia um pequeno conto.

    http://oficinamissoes.blogspot.com/2011/04/encruzilhada.html

    ResponderExcluir
  21. Oi... td bem??
    Tem uns selos lá no blog
    Passa lá... vê se pode gostar de algum
    Click em www.selopentagono.blogspot.com
    .
    é um espaço pra divulgar blogs tb
    .
    Espero que possamos ajudar a aumentar o numero de visitas do seu blog
    .
    Abraço

    ResponderExcluir
  22. Não conhecia o seu blog antes de ler o primeiro poema que por sinal adorei. Esse segundo texto também é um trabalho primoroso. Gosto de texto que tem finais surpreendentes!

    Impressionante!

    ResponderExcluir
  23. www.BlogNuAr.Blogspot.com
    Seguindo... segue meu blog la

    ResponderExcluir
  24. Uma verdadeira obra prima que me deixou sem palavras, vou passar sempre por aqui pra ler esses poemas tão bonitos e aprender um pouco mais.

    http://papel40kg.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  25. Ola estou te seguindo , gostei do seu blog se puder retribuir ..
    http://larissamix.blogspot.com/
    Beijo grande

    ResponderExcluir
  26. ótima poesia , mas me chamou atenção a foto "time dos sonhos " onde está Mario quintana , um ótimo poeta da minha terra.
    estou seguindo seu blog , veja o meu :

    http://andyantunes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  27. Muito legal mesmo, parece que são fundidas as linguagens de bilhete de recado com uma biografia. Como se tivesse que resumir a vida em tempo reduzido sem perder a profundidade das coisas!

    ResponderExcluir
  28. Isso parece coisa de quem não limpa a bunda direito e deixa as cueca tudo cheia de freiada...

    ResponderExcluir